domingo, 9 de setembro de 2012

SACRIFICIO - A UTILIZAÇÃO DOS ANIMAIS NO CANDOMBLÉ - PARTE I

Sacrificio


Há que se esclarecer de uma forma definitiva, verdadeira e sem hipocrisia, a utilização dos animais pelo Candomblé.
    Os animais comumente utilizados são, em via de regra: galos, cabritos, carneiros, pombos e galinhas da angola; machos e fêmeas. Sua forma de abate, é cortado o pescoço com faca bem afiada, o qual não sofre mais, nem menos, que os que são abatidos, aos milhares, diariamente, pelos grandes abatedouros, ou ainda, os tão procurados "caipiras", pelo seu melhor sabor e consistência, também o são abatidos, das formas mais variadas, sendo que a palavra sacrifício, é apenas um termo, uma forma de expressão, mas que, poderia perfeitamente, ser dito, abate. É feito algum tipo de comentário, por quem quer que seja sobre o abate industrial ou caseiro? Absolutamente não; porque? No fundo, no fundo, ninguém saberia dizer; Mas, intrinsecamente, já está embutido na cabeça das pessoas, pelas mesmas razões, já comentadas, de ordem religiosa, moral, conservadora... ou "pseudos" religiosos, moralistas...através de argumentos, os mais variados e convenientes, ao longo dos anos. Porém, quando essas pessoas, lêem na Bíblia Sagrada, em várias passagens, vou citar uma apenas, a mais marcante, em que Abel, "imolou" (sacrificou) um carneiro, para Deus, e o mesmo foi aceito, tão somente estava repetindo um ato já praticado, provavelmente advindo dos africanos, mas, que pela palavra usada - imolou - fica bonitinho e aceitável, mas sacrifício, não, este é um termo diabólico; que dizem dessas passagens bíblicas, nossos algozes?
    Continuando, após "imolar" o animal, cujo sangue é derramado, em local determinado, são retirados os "axés", que são as vísceras principais (moela, rim, pulmão, coração...) que serão cozidas ou fritas, colocados num oberó (prato de barro) e oferecidas como complemento. A carne, será consumida normalmente pelas pessoas, como se estivesse sido comprada em um supermercado.
    Esta forma como que é utilizado, o sangue e demais vísceras dos animais, tem uma causa e objetivo nobre, o de produzir uma energia, o axé, já tantas vezes mencionado, que ao menos, irá cumprir uma função, de maior ou menor importância, beneficiando o alvo de qualquer religião: o ser humano.
    Onde está a maldade, o diabólico, se ajudar alguém? O abate é o mesmo, só porque é um ato religioso? De um povo já tão, atacado, sofrido e discriminado pela humanidade, ou ao menos parte dela, tudo isto por interesse e influência de alguns? A barata, o pernilongo, a formiguinha, Ah! A formiguinha, animal de folclore, história e lendas, tão bonitinha, mas que, todos foram criados por Deus, com alguma função, que não me cabe analisar, mas criaturas divinas, claro que são insetos, vermes, nojentos, nocivos, e, devem se exterminados, esmagados, pisoteados, e muitas vezes, com ímpetos e rituais de sadismo e com plena satisfação, quer seja com o sapato, chinelo, vassoura, ou mesmo de forma maciça, com o advento do inseticida, mas que se processa de forma algoz, por envenenamento, a morte vem lenta e dolorosa... não importa a forma, desde que seja morto, esmagado de forma definitiva, e ainda olhamos o resultado, sem se importar se sofreram ou não, se ainda estão agonizando ou não, e ainda dizemos, que nojo! Matei mais um, se pudesse matava todos que existem no mundo.
Do ponto de vista, de que são igualmente, criaturas criadas por Deus (por outro não seria), que diferença tem dos animais imolados no Candomblé? O mundo sacrifica animais diariamente.
Com a palavra nossos algozes.

Autor desconhecido

11 comentários:

Anônimo disse...

ótima publicação, poderia falar um pouco sobre a importância da sassanha.

Leonardo Almeida da Silva disse...

Nossa, muito boa publicação, até mesmo um leigo ao ler isto começará a ter um pensamento diferente ou pelomenos esclarecido sobre o assunto! O porque de usar a visceras dos animais ?? Qual o significado ?? Muito obrigado!!
Abraços!

Hunso Sueli de Vodun Abe disse...

As vísceras tem a simbologia da transferência de axé (energia) e outra simbologia é a de alimentar as mães ancestrais.

Axé

Fernando Augusto disse...

Quem sacrifica animais em nome dessa merda chamada religião: é covarde, bandido, filho da puta, assassino, marginal, e está servindo ao capeta, e merece o inferno, se eu ver alguem fazendo isso, cubro de porrada, e depois entrego à polícia, e quero ver algum orixá fazer alguma coisa comigo, vocês que fazem isso tem mais é ir para o colo do capeta, lá é o lugar de vocês!

Hunso Sueli de Vodun Abe disse...

Entendo seu ponto de vista, vc deve ser vegetariano.Alias matar as plantinhas pra comer, deve apanhar tb. Então eu sugiro que vc se alimente de luz. Ai ninguém vai querer bater em vc. Pq os animais sacrificados na ,m
minha religião são para comer, do mesmo jeito que todos compram no supermercado.
Asé

Maiara Oliveira disse...

Oi, por favor existe algum orixa que goste de doces? Tenho tido sonhos com oferendas de doces e gostaria de informações, desde já muito obrigada!!!

Hunso Sueli de Vodun Abe, Apetebi Osalofogbe disse...

Olá Maiara!
Todos os orixás comem doces de Exú a Oxalá. A maioria associa doces somente a Ibeji.
Asé

ricardo correia disse...

Fernando Augusto, vc é um babaca, inconsequente que deveria se calar por ignorâcia ou falta de conhecimento. Fica calado, não escreva e de preferência, nem pense, pois és um verdadeiro ididota...

Anônimo disse...

Pelo jeito essa Hunso não estudou biologia, ela não sabe que os vegetais não têm terminações nervosas, não sentem medo, dor, frio, fome, sede!

Hunso Sueli de Vodun Abe, Apetebi Osalofogbe disse...

Desculpa caro sr anonimo, estudei sim e alem disso sou uma pesquisadora. Obvio que estava sendo sarcástica em relação ao assunto mencionado pelo sr. Fernando Augusto qdo disse q deveria apanhar tb por matar as plantinhas.Sugiro que o "sr" pesquise mais sobre os assuntos, onde queira expor seu pensamento. Só para fins ilustrativos, recente pesquisa publicada na revista científica Trends in Plant Science. Nela, os pesquisadores Monica Gagliano, Stefano Mancuso e Daniel Robert revelam que as plantas não só respondem ao som, mas também são capazes de se comunicar umas com as outras.

Os cientistas afirmam que, apesar do pouco que é conhecido na área da bioacústica, a equipe buscou apresentar na pesquisa um argumento que explica o motivo pelo qual é bem provável que a capacidade de perceber sons e vibrações também evoluiu nas plantas.

Para isso, explicam como as evidências atuais contribuem para a visão de que as plantas podem até mesmo ter se beneficiado de mecanismos sensoriais mecânicos que até hoje não tinham capturado a atenção dos pesquisadores da área.

Usando poderosos alto-falantes, os pesquisadores da University of Western Australia foram capazes de ouvir estalos vindos das raízes de mudas de milho. Já os pesquisadores da Bristol University descobriram que quando suspendiam as raízes na água e tocavam um som contínuo à 220Hz, uma frequência similar aos estalos das plantas, elas cresciam em direção à fonte do som.

Todos já sabem que as plantas reagem aos estímulos luminosos, bem como que elas usam químicos voláteis para se comunicarem entre si quando uma ameaça se aproxima. Este conjunto de constatações sempre intrigou os cientistas: se elas reagem a estímulos e se comunicam através de químicos, não seria possível que também fossem sensíveis ao som?
Uma pesquisa realizada na Exeter University descobriu que os repolhos emitem o gás metil jasmonato quando têm suas superfícies cortadas ou perfuradas, para avisarem suas vizinhas sobre perigos como lagartas ou mesmo tesouras de poda. Quando este gás é emitido, os repolhos das redondezas recebiam o comunicado e passavam a produzir químicos tóxicos em suas folhas, para resistirem aos ataques de seus predadores naturais.

Este novo estudo revela que as plantas não apenas respondem aos sons, mas também se comunicam umas com as outras através de seus estalos, com o objetivo de garantir sua sobrevivência através da obtenção de informações sobre o ambiente através de vibrações.

As ondas sonoras são facilmente transmitidas através do solo, e podem ser usadas para detectar ameaças que se aproximam. Os pesquisadores destacam que o papel desempenhado pelos sons na história de vida das plantas ainda não foi totalmente explorado. Há muito ainda a ser investigado sobre a grande complexidade sensorial e comunicativa destes organismos.

Fique bem!

Anônimo disse...

acho apenas que nao é necessario utilizar animais em rituais!!!