sexta-feira, 14 de outubro de 2011

APETRECHOS RITUALISTICOS - PARTE V - O MEL

O MEL 


É o alimento primeiro, alimento e bebida ao mesmo tempo, a exemplo do leite, ao qual é frequentemente associado, o mel é antes de tudo um símbolo vasto de riqueza, de coisa completa e sobretudo de doçura; ele se opõe ao amargor de fel, ele difere do açúcar, como difere aquilo que a natureza oferece ao homem, daquilo que ela esconde dele. O mel, em algumas culturas, é um dos agentes principais de fecundação, fonte de vida e de imortalidade. Essa doçura melosa pode ser perigosamente sedutora: é o caso das palavras do bajulador, dos engodos de todo tipo. Enquanto alimento único, o mel estende a sua aplicação simbólica ao conhecimento, ao saber, à sabedoria, e seu consumo exclusivo está reservado aos seres de exceção, neste mundo assim como no outro. Algumas tradições associam o mel ao elemento terra e à noção de centro, e é por isso que alguns pratos servidos aos deuses deviam ter sempre como elemento de ligação o mel. Os ensinamentos dos deuses podem ser comparados ao mel por suas propriedades de purificar e de conservar. O mel designará a cultura religiosa, o conhecimento místico, os bens espirituais, a revelação ao iniciado, designando a beatitude suprema do espírito e o estado de Nirvana: símbolo de todas as doçuras, ele realiza a abolição da dor. O mel do conhecimento funda a felicidade do homem e da sociedade. O mel é associado à doutrina: o início é doce, o meio é doce, o final é doce. A perfeição do mel faz dele com facilidade uma poderosa oferenda e objeto propiciatório, um símbolo de proteção e de pacificação. Não podemos esquecer que o mel toma parte nos ritos de medicina. O mel está ligado à imortalidade de sua cor - amarelo ouro - pelo ciclo eterno das mortes e dos renascimentos. Simboliza a sabedoria, a preservação.
Fonte de consulta: Símbolos - Alain Gheerbrant.



MEL DA OXUM

O texto abaixo é tradução de um mito Africano, de uma lenda , é parte de um Odu oral do Oráculo de Ifá.
... e aconteceu que, quando o Criador, Olodumaré enviou as 16 abelhas trabalhadores, para a Terra, no início do tempo para a humanidade civilizada, incluídas entre elas uma chamada Oxum. Antes de vir para a Terra, foi a Ifá para fazer adivinhação, e o profeta do Senhor, Orunmila, instruiu-os que sempre honrassem Oxum, que ela por sua dor ou pela medicina era extremamente importante para ajudar a civilizar a humanidade e orientar na sua evolução. As 16 abelhas cada um tinha a sua dor, seus talentos e competências que foram usados para o benefício da humanidade. Mas elas não gostaram de Oxum, o orixá feminino, por ser diferente. Ela se comportou como uma diva, e ela sabia que ela era bonita e inteligente. Assim, foi excluída de tudo o que elas faziam, e fazia apenas as tarefas que lhe era trivial. Nada era compartilhado com ela e as vezes brutalizada. Sentia-se isolada, mas por causa de sua virtude, manteve a cabeça e não ficou furiosa. No entanto, ela lançava bênçãos, bênçãos como as outras deixavam de lançar Ache, porque ela sabia que se deve compartilhar a dor, a energia, com os que merecem isso. E assim, os trabalhadores começaram a perceber que nada que eles fizeram não rendeu frutos, a terra não era mais fértil e os seus métodos não foram mais úteis. Sua frustração levou-os para onde adivinhava Orunmila, para que o profeta visse o que aconteceu. Orunmila ao vê-los, disse de imediato: "Onde está Oxum? Por que não está a acompanhá-los? Por que não está sendo incluída em tudo que fazem, e honra, como eles foram instruídos antes de serem enviados para a Terra?" "É porque é a única mulher e tem toda a fertilidade", responderam eles. Orunmila então disse: "Eles tornaram-se consumidos pela inveja." Então ele aconselhou-os a oferecer sacrifícios a Oxum, a trabalhar com muito empenho e coletar néctar para alimentá-la, como fazem as abelhas para a sua rainha em todas as grades e aqui é que esta tradição tem origem no tipo de que a natureza alimenta a rainha com geléia real. Oxum é para todos os ninhos de abelhas que têm uma rainha. Disse o profeta do Senhor, que se realizasse esses sacrifícios o seu trabalho renderia frutos novamente. Enquanto tudo isso acontecia, Olodumaré "Deus olhou com compaixão para Oxum enquanto rezava e recordou como ela tinha sido humilhada e obrigada a se sentir envergonhada, e como a haviam maltratado. Deus viu que ela estava carregando sua força e opressão, com dignidade, sem perder a cabeça e sem o uso de sua magia poderosa para o exercício da justiça, e que não recusou a sua bênção para aqueles que cometeram injustiças contra ela. Ela se comportava como uma rainha. Olodumaré, em seguida, decidiu conceder a ela a honra de ser a abelha rainha, e deu-lhe uma coroa de contas e declarou a maior parte das abelhas. Quando os 16 trabalhadores sobre anos voltaram, e viram a sua nova realeza, se sentiram envergonhados. Eles imediatamente começaram a oferecer os sacrifícios que tinham sido instruídos por Orunmila profeta. Eles recolheram nos jardins, néctar reais e colocavam em sua boca de modo servil, e fizeram todos os tipos de ofertas específicas a rainha, e, finalmente, perguntaram se ela aceitava seus sacrifícios. Bastante confortável em seu novo estatuto de rainha, ela respondeu: "Eu estou grávida. Se eu parir uma mulher, minha filha e eu vamos ser estéril, para mim e minha colônia como os trabalhadores, e a Terra será um lugar esquecido e sem vida. Se eu parir uma continuação do sexo masculino, em seguida, haverá vida, e só então vou compartilhar com vocês a minha dor de costas, e poderá continuar a humanidade civilizada. " Ela queria ensinar-lhes uma lição com isso. Como rainha, Oxum tinha o conhecimento secreto e o poder de escolher o sexo de sua criatura, mas eles não sabiam. Ainda hoje, as rainhas em colônias de abelhas têm esse poder e conhecimento. A cada dia as abelhas a alimentavam com o néctar real, e ela rezou e fez sacrifícios para sua barriga para ser um menino. Finalmente chegou o dia do nascimento, e a Rainha esperou cinco dias para ir e anunciar o nascimento de sua criatura. Para a sua conclusão, era um menino. Oche-ção foi chamado pelo profeta sábio Orunmila na cerimônia de nomeação. Finalmente as abelhas tinham de regressar a sua santa cidade Oxum Seixal, numa carruagem de ouro, enquanto se alimentava de néctar, mel real, e é assim que ela chegou à cidade santa medida e adorada como patrona. Oxum assim salvou o mundo, permitindo que a vida e a fecundidade continuasse, que as abelhas se multiplicassem e que poderiam continuar o desenvolvimento e civilização da humanidade. Desde então, cada abelha é cuidada para não insultar Oxum e tendo que perdoar a agressão, ainda sendo compassiva com aqueles que são maltratados pelos outros. Este mito também explica por que Oxum, apesar de ser a mãe de todos, não aumentando os seus filhos, têm funcionários para fazer todo o trabalho, e ela é a rainha. Sua única função é dar a fertilidade.

Nenhum comentário: