segunda-feira, 9 de maio de 2011

EBÓS - OFERENDA DE COMIDAS AOS ORIXÁS/VODUNS/MIKINSI





AS OFERENDAS

....Dentro do culto aos Orixás, o mais importante são as oferendas aos Orixás, que têm por finalidade manter o equilíbrio das relações entre eles e os seres humanos. É através das consultas ao Oráculo de Ifá, que as pessoas, mesmo as não iniciadas, são informadas a respeito das exigências de seus Orixás e principalmente de Exú, relativas às oferendas que desejam receber. Nem sempre estas exigências são estabelecidas pela  relação anteriormente explicada entre o ser humano e seu Orixá de cabeça, muitas das vezes, é um outro Orixá quem se oferece para solucionar um determinado problema ou alguma dificuldade que está sendo vivenciada e, em troca, exige algum tipo de sacrifício em seu louvor. Algumas vezes, pessoas atormentadas pelos mais diversos tipos de dificuldades, recorrem aos préstimos de algum Orixá, oferecendo algum tipo de sacrifício como penhor de sua confiança e de sua fé, da mesma forma que os católicos recorrem aos seus santos, implorando graças e fazendo promessas que, invariavelmente, são pagas somente após a obtenção da graça solicitada. Os sacrifícios oferecidos aos Orixás, são genericamente denominados "ebós" que se dividem em "ejenbale" (sacrifícios com derramamento de sangue) e "adimús" (sacrifícios incruentos).

Os ebós ejenbale, dividem-se em diversos tipos, exigindo sempre o derramamento de sangue de algum tipo de animal que pode ser uma ave, um quadrúpede ou até mesmo um simples caramujo. Dentre os mais conhecidos, destacamos:
Ebó ejé: Oferenda votiva  que tem por finalidade obter determinado favorecimento ou graça de uma Divindade.
Ebó etutu: Sacrifício de apaziguamento. Este tipo de sacrifício é geralmente determinado pelo Oráculo e tem por finalidade acalmar a ira ou o descontentamento de uma entidade qualquer.
Ebó a ye ipin ohun: Sacrifício substitutivo. Tem por finalidade substituir a morte de alguém pela oferenda determinada pelo Oráculo, no Brasil, este sacrifício é vulgarmente conhecido como "ebó de troca".
Ebó ba mi d'iya: Sacrifício que visa atenuar uma punição de morte imposta à uma pessoa por um Orixá ou por um espírito maligno. Neste caso, como no anterior, um carneiro é sacrificado em substituição ao ser humano.
Ebó Ogunkojà: Sacrifício preventivo que pode ser público ou individual. Tem por finalidade evitar qualquer tipo de acontecimento nefasto que ameace a pessoa (individual) ou até mesmo uma cidade ou aldeia (público).
Ebó a d'ibode: Trata-se de um sacrifício propiciatório e preventivo. Este sacrifício é oferecido na fundação de uma casa, aldeia ou cidade e tem por finalidade acalmar os espíritos da terra no local da fundação. Antigamente, este ebó exigia o sacrifício de seres humanos que hoje em dia, foram substituídos por diversos animais. Como podemos observar, o sacrifício de seres humanos era exigido nos primórdios do culto o que, sem dúvida, seria hoje considerado um absurdo, além de configurar-se, seja em qual for a circunstância, em homicídio, selvageria e falta de respeito ao ser humano. Da mesma forma, o derramamento do sangue de animais, só deve ocorrer em situações de extrema necessidade e em casos em que não possam ser substituídos por outras oferendas pois, se os Orixás, acostumados que eram a receberem sacrifícios humanos, concordaram na substituição dos mesmos pelos sacrifícios de animais, é fácil deduzir-se que estes podem também dar lugar a sacrifícios de minerais, vegetais e objetos de seu agrado. Adentramos uma nova era em que todas as formas de vida adquirem sua valorização máxima e a vida dos animais, da mesma forma que a dos seres humanos, há que ser respeitada e preservada ao extremo. É chegada a hora de darmos um basta ao inútil derramamento de sangue que, ao invés de apaziguar os nossos deuses,  só conseguem despertar a sua ira, tornando-os intolerantes e cada dia mais distantes de nós. É necessário que se desperte nos adeptos do Candomblé a consciência do respeito devido a todas as formas de vida animal, cujo sacrifício só pode ser efetivado em casos excepcionalíssimos e quando todos os demais recursos hajam sido esgotados. 
É num itan de Ifá, do Odu Odi Meji, que encontramos a fundamentação para as afirmações anteriormente feitas:
Odi Meji disse: "Metolõfi, por avareza, não quis sacrificar um boi de malhas brancas e a morte veio buscá-lo."  Quando Ifá estava ainda no ventre de sua mãe, pediu que seu pai pegasse um boi malhado de branco e oferecesse em sacrifício, a fim de evitar  que dentro de três anos, uma guerra viesse dizimar o seu reino. Seu pai negligenciou o sacrifício e no dia do nascimento de Ifá, seu pai morreu e sua mãe foi capturada como escrava. Três anos depois, a guerra arrasou o país e Ifá mandou que Ajinoto, a parteira, o encerrasse dentro de uma cabaça, de forma que ninguém o pudesse ver. A parteira foi encarregada também, de avisá-lo logo que alguém passasse por perto, para que ele revelasse ao passante, a causa de seus sofrimentos e os remédios e sacrifícios que resolveriam todos os seus problemas. Tudo ocorreu da forma como Ifá planejara e o homem que passou naquele local, não hesitou em levar para sua casa, a cabaça onde Ifá havia sido encerrado. Para deslumbramento de todos, Ifá, de dentro da cabaça, dava conselhos, receitava medicamentos e resolvia os mais difíceis problemas. Um dia Ifá ordenou que alguém se dirigisse ao mercado onde, pelo preço de quarenta e um caurís, deveria comprar sua mãe que estava sendo vendida junto com outras escravas. "A primeira mulher que for oferecida deve ser comprada, pois esta é minha mãe." Naquela época Ifá costumava aceitar sacrifícios humanos no festival de Fanuwiwa. Quando a escrava adquirida no mercado foi trazida, Ifá ordenou que lhe fosse entregue uma certa quantidade de milho, para que pilasse e transformasse em farinha destinada à preparação o amiwo. Enquanto pilava o milho, a mulher ouvia os fiéis invocando Ifá:  "Orunmilá! Akefoye! Agbo wi dudu hu do fe to!" (Orunmilá! Akefoye! Se teu nome é Ifá, jamais esquecerás de mim!).  Reconhecendo em Ifá o seu próprio filho, a pobre mulher pôs-se a cantar, em voz alta, a saudação que ouvia: 
"Orunmilá! Akefoye! Agbo wi dudu hu do fe to!"
As pessoas contaram a Ifá sobre a mulher que cantava aquela saudação enquanto pilava o milho e Ifá ordenou que ela largasse aquele trabalho e que, no dia seguinte pela manhã, chamasse por ele junto com seus fiéis, para que pudesse mostrar a todos de que forma deveria ser corretamente alimentado. Ordenou ainda, que fosse preparado um akpakpo e dois panos brancos de cabeça denominados  kpokun abuta, proibindo a todos de olharem para aqueles objetos. Como Ifá vivera, até então, fechado dentro de sua cabaça, jamais havia sido visto por ninguém. Quando todos se afastaram Ifá saiu de sua cabaça coberto por um  grande chapéu, vestindo um avental de pérolas e calçando sandálias, indo sentar-se no alto de um tripé de onde gritou:  "Olhem bem, sou eu, Ifá! Ifá que ninguém nunca viu... A mulher que mandei comprar no mercado de escravos deve ser trazida até aqui!"  A mulher foi trazida à sua presença e Ifá mostrou-a a todo mundo dizendo:
"Olhem bem, esta é minha mãe! Quando eu estava no seu ventre determinei que meu pai deveria sacrificar um boi malhado de branco, para evitar malefícios que já estavam previstos.  Mas meu pai não atendeu minha orientação e todo o mal acabou por se concretizar. Tanto tempo se passou e eu comprei esta escrava para ser sacrificada em minha honra. Entretanto não a sacrificarei! Não poderia trair minha própria mãe, mesmo que ela me tenha traído." Dito isto ordenou que cortassem os longos cabelos de sua mãe, que envolvessem sua cabeça com um belo torso branco e que a instalassem sobre a almofada akpakpo. Depois pediu um boi e um cabrito para serem sacrificados. Com a farinha moída por sua mãe mandou preparar um amiwo para ela, que não poderia ser comido em sua presença. Desta forma, assentada sobre um akpakpo, transformou-se ela em Nã, mãe de um rei. Aos jovens que prepararam as carnes do boi e do cabrito, assim como o amiwo, ordenou que fosse dado uma parte de cada coisa, para que comessem depois da cerimônia¹. A velha disse então a seu filho, que sentia-se muito envergonhada, pois não merecia tantas honrarias e que naquele dia iria encontrar-se em Ló (local para onde vão os espíritos dos mortos), com seu finado esposo.
"A partir de hoje, quando fizerem uma cerimônia em minha honra, digam: Nã kuagba! (Nã seja bem vinda!), e virei receber as oferendas." - Disse a mulher. Nã disse ainda, que faria o Sol tornar-se mais brando ou mais quente, comandando-o de cima de seu akpakpo.  A partir de então, realiza-se sempre o ritual de Xe Nã (dar comida à Nã), quando terminam os festivais Fanuwiwa².
Este Itan de Ifá fundamenta a possibilidade de substituição do sacrifício de um ser humano pelo de animais, o que nos leva a concluir a possibilidade da substituição do sacrifício destes por outros tipos de oferendas, partindo da premissa de que o ritual é criado pelo homem e não pelos deuses.......
1 - Depois das cerimônias de Nã, aqueles que preparam os alimentos a ela oferecidos, recebem uma pequena parte destes alimentos, parte esta que recebe o nome de kle ou kele e que só pode ser consumida depois que o Vodun for servido. (Este rito acompanha as cerimônias às divindades nagô sob o nome Atowo e às divindades fon sob o nome de Nudide).  
2 - Itan coletado por Bernard Maupoil na região onde hoje fica a  atual República do Benin e publicado em sua magnífica obra sobre o sistema oracular de Ifá,  ”LA GEOMANCIE À L'ANCIENNE CÔTE DES ESCLAVES”. 

Fonte: C E C A A - Centro de Estudos da Cultura Afro-Americana

Minha conclusão:
Sobre oferendas de comidas aos orixás acredito eu,  que estas oferendas, sacrifícios animal, (não esquecer da mudança de comportamento) são reabastecedores de asé, e a utilização destes simbolismos é a tentativa humana de alcançar a divindade através de si mesma e de seu mundo. Ai eu me pergunto: Qual seria a finalidade real destas oferendas?
1 - para agradecer pela obtenção de um desejo ou pelo atendimento de uma necessidade
2 - para cumprir uma promessa ou juramento sagrado feito a divindade
3 - para prevenir a causa de um sofrimento
4 - para substituir o ofertante pelo animal sacrificial
5 - para dar força, estabilidade e coragem  para atingir o mundo visível e invisível.
6- para homenagear, quando oferecemos algo, uma comida, uma libação, em homenagem à Divindade ou Entidade.
Toda a complexidade ritual que envolve a realização de uma oferenda, rezas, os gestos simbólicos, os elementos utilizados, etc., todos esses elementos são combinados para chamar nossas divindades, fazer uma oferenda é abrir a oportunidade para mudanças positivas, para aumentar a possibilidade de crescimento e o fator humano não deve ser desprezado pois a oferenda e/ou sacrifício mais elevado é o humano - o sacrifício dos pensamentos negativos e de tendências destrutivas; o sacrifício do ego mesquinho ao principio divino do ser. Em assim sendo, todo e qualquer ato sagrado (banhos, ervas, orações, meditações, sangue animal, frutas, flores, comidas cruas ou cozidas, colhidas ou compradas no mercado, seja lá o que for, no meu modo de ver, só são utilizados  para aumentar esta empreitada humana, e não somente  reproduzir um costume ritual.

4 comentários:

Anônimo disse...

Mamãe seu blog está cada dia mais lindo! Parabéns!Orgulho-me,no bom sentido,é claro de ter uma amiga e mãe de santo inteligente, estudiosa, pesquisadora e sobretudo humilde onde seu interesse único é passar o conhecimento a todos de formas simples e objetiva. Parabéns mais uma vez mami!Bjs de sua filha Fátima do Ogun

Hunso Sueli de Vodun Abe disse...

Obrigada minha filha, o único interesse é esse mesmo, passar com humildade o que posso, com bom senso e seguindo as regras que a nossa religião impõe.

Fernandes JOSIMAR ROCHA disse...

cara Ya agradecemos seu blog de pronto ja estamos seguindo ficamos felizes pela qualidade das materias o nosso blog www.mandacarurn.blogspot.com
somos da rede mandacaru brasil, agradecemos somos estudiosos da tematica teologo e atualmente concluindo ciencias socias da religiao na universidade do RN - UERN agradecemos e gostariamos de interlocução e troca de informações e ações se caso passa pelo RN favor entra em contato conosco sera um prazer...
abcos potiguares

Anônimo disse...

sempre me interessei pelo candomble e sempre quis fazer estas comidas de oferenda, meu medo é fazer errado, mal feito e me causar mais problemas do que já tenho.
Outra questão é a dificuldade de achar zeladores de santo sérios, pois na maioria dos casos,infelizmente, é triste perceber que acabamos pagando por uma oferenda que não é feita, ou que é feita errada. Fui em um cara que me disse que meus orixas de Cabeça são yemanja e oxalá, e ele queria que eu fizesse oferenda para Lúcifer, não aceitei por achar que primeiro deveria fazer obrigação para os donos de minha cabeça, agi de modo correto?
marielrente@hotmail.com